Grupo SA sai na frente em projeto de ressocialização

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn

Se você entrar na aba “Quem somos” no site do Grupo SA, vai se deparar com uma descrição de “Missão Estratégica” que começa com a seguinte frase:

 “Agir com honestidade e ética, assegurando o crescimento da empresa e seu aprimoramento, valorizando seus colaboradores (…)”. 

Esta missão define o nosso propósito enquanto empresa, pois, se por um lado, assegurar o crescimento e aprimoramento é importante, por outro, agir com honestidade e ética é o princípio desse aprimoramento. 

Foi com base no princípio da ética, que a empresa aderiu ao projeto Resgata. Nesse post, você vai conhecer a história de algumas pessoas que passaram pelo projeto aqui na SA, e que agora estão usufruindo de uma nova oportunidade social. 

Vai conhecer um pouquinho mais da garra e da coragem de pessoas que estão a frente desse mega projeto de ressocialização social.

Barquinho Grupo SA

Este lindo navio, feito com sucata, foi um presente de agradecimento do artista Alexandre Luiz Leite, pelo tempo que passou pelo projeto.

Ética no Grupo SA 

Uma vez que, a missão de uma empresa define o modo como esta se propõe a agir, a honestidade e a ética precisavam fazer sentido concreto para o Grupo SA e não apenas compor uma frase destituída de sentido prático, apenas para enfeitar o site. 

Em relação a honestidade estava fácil, já que a transparência e idoneidade sempre foi parte da essência da organização. Mas “ética” exigia um olhar um pouco mais filosófico, para aderir com eficácia ao core business da empresa, na entrega de valor ao indivíduo.

Passei pelo projeto, cheguei aqui sem saber nada, fiquei um ano e dois meses, passei por vários setores. Agora, o Lucinho me deu uma oportunidade e estou entrando como funcionário.

Era um sonho, né? Trabalhar fichado numa empresa assim. Graças a Deus, a oportunidade surgiu.

Tiago – Aux. de Produção

De forma direta, a missão do Grupo SA desencadeia um fluxo de energia que direciona a empresa na busca da concretização de cada palavra ali escrita, de modo a alcançar o ambiente ideal para o crescimento da organização, para o bem-estar dos colaboradores e para o desenvolvimento social. 

Por este motivo, a palavra “ética” não está colocada em nossa missão por acaso, mas agregadora de toda responsabilidade filosófica e etimológica que o termo exige.

Ética vem do grego Ethos e significa caráter, modo de ser de uma pessoa. 

 Ética é definida na web, como o princípio que motiva, distorce, disciplina ou orienta o comportamento humano, refletindo sobre a essência dos valores, prescrições e exortações que estão presentes em qualquer realidade social. 

O Grupo SA entendeu que, fazia parte da sua responsabilidade fomentar a natureza concreta da ética em sua cultura.

Para o Grupo SA, agir com ética equivale a incentivar a transformação do caráter, impactando diretamente no modo de ser de uma pessoa. Utilizando-se do aparelhamento empresarial como ferramenta motora e motivadora da transformação individual e social.

Soldador no Grupo SA

Lucas – Soldador

Comecei como auxiliar de produção. Quando um dos soldadores entrou de férias eu o substituí, daí então recebi a oportunidade de trabalhar de soldador.

Quando terminei minha pena eu abri um negócio prório. Depois de dois anos, meu negócio não deu muito certo, então tentei uma vaga na SA, só que agora, CLT. Graças a Deus, estou trabalhando, fichado como soldador.

Responsabilidade Social motivada pela ética

A reflexão sobre ética, levou o Grupo SA a aderir um projeto que viabilizasse a transformação do caráter e do comportamento de indivíduos que, seja pelo motivo que for, perderam ao longo do caminho, a sua liberdade e dignidade, ficando a mercê de todo tipo de preconceitos, tanto em relação à capacidade de interação social, quanto de sua habilidade produtiva. 

Com isso, a pessoa em situação prisional acaba, muitas vezes, destituída de oportunidades diante do mercado de trabalho.

O preconceito e os esteriótipos sociais, impactam direta e negativamente na vida daqueles que buscam uma segunda chance. 

Esse tipo de comportamento da sociedade, tende a não deixar outra opção ao cumpridor de pena, senão a descrença de suas próprias capacidades e a tendência em voltar para o submundo dos feitos ilícitos. 

Kenerson - Auxiliar de cozinha Grupo SA

Kenerson – Aux. Cozinha

Eu não conhecia o significado da palavra “dignidade”. Quando passei aqui pela empresa, através do projeto, eu passei a ter acesso a pessoas incríveis, passei a ouvir coisas novas, conselhos valiosos, como os da Dona Rosana, e do Lucinho (Vanderlúcio), a quem eu chamo de pai, por conta de todas as oportunidades que ele me deu.

Graças a Deus eu recuperei a minha família, minha dignidade para com meus tios, minha mãe. Voltei a estudar, agora tenho planos. Hoje eu me inspiro nos vencedores.

Depois que ganhei a liberdade, vim até a empresa e disse que precisava de uma oportunidade. Graças a Deus, fui atendido e ganhei a oportunidade, naquela mesma semana minha carteira foi assinada. Já estou aqui há três anos fichado e procurando ser útil onde for preciso.

Agora vou continuar estudando e vou me dedicar no setor gastronômico, que é o que mais gosto de fazer.

De que maneira, o Grupo SA poderia tratar essa situação de forma cientifica e filosoficamente ética? 

Utilizando a empresa como meio de transformação dessa população, para que o comportamento, o caráter e o modo de ser dessas pessoas pudessem ser influenciados pela cultura organizacional.  

Assim, em 2014 o Grupo SA abriu as portas para receber presos egressos e cumpridores de penas alternativas, para se socializarem profissionalmente, prestando serviços nas dependências da empresa. 

O Selo Resgata 

Selo Resgata

O Selo Resgata é uma iniciativa do Governo Federal e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), que reconhecem, através do “Selo Resgata”, as empresas, órgãos públicos e empreendimentos de economia solidária que contratam presos, egressos do sistema prisional e pessoas que estão cumprindo penas alternativas. 

Atualmente, Minas é o estado que mais possui empresas credenciadas para receber mão-de-obra prisional. De acordo com matéria divulgada no site da Secretária de Segurança, das 372 aprovações no país, 179 são de empresas mineiras. 

Isso significa que do total de instituições e empresas aptas, 48% são atuantes em território mineiro, por meio de parcerias ativas com o sistema prisional de Minas Gerais. 

Qual a importância do Grupo SA para o Selo Resgata?

Visita Projeto Resgata Grupo SA

Segundo a diretora de RH, Rosana  Almeida, o Grupo SA é a maior empresa do estado de Minas Gerais, a empregar, profissionalizar e abraçar o projeto de ressocialização. O que faz da SA um exemplo e inspiração para outras empresas.

A frente deste projeto, a “Dona Rosana”, como é chamada, participou no dia 03/07 (sexta), do “III Seminário sobre Gestão, Fomento e Boas Práticas para as ofertas de trabalho à pessoa presa”.

Neste encontro, a Diretora pode compartilhar as experiências e desafios da ressocialização, com centenas de empresas que utilizam, ou vão utilizar, mão-de-obra prisional em seus processos. 

O Seminário teve o objetivo de demonstrar o quanto a inclusão de mão-de-obra prisional nas empresas, pode oferecer alternativas àqueles que, hoje, vivem a margem da sociedade e esperam pela chance de um novo recomeço. 

Unidos pela sensibilidade

No Grupo SA, todo mundo participa de forma direta ou indireta com o projeto de ressocialização, alguns plantaram as sementes e desbravaram o caminho nos primeiros anos, e outros oferecem seus talentos e esforços para que isso aconteça hoje. 

Mas há sempre aqueles que tomam as rédeas e literalmente “seguram o boi pelo chifre”. No caso do projeto, esses dois são a Rosana Almeida (RH), de quem já falamos anteriormente e o Vanderlúcio (Diretor de Fábrica). 

A imagem desses dois profissionais é muito importante para o projeto, a medida em que são responsáveis pela liderança direta dos participantes.

Vanderlúcio-Diretor-Fabril-Grupo SA

“Para mim, a SA é uma ferramenta para a transformação social, um meio para oferecer oportunidades para várias pessoas. Lembro que como foi difícil nossa vida quando viemos do norte de Minas, nós eramos quem precisávamos de uma oportunidade, agora, não poderíamos agir diferente. Dividir, apoiar e cultivar o que há de melhor no próximo é uma coisa que recebemos do nosso pai, é uma prática de família”, diz Vanderlúcio.

Vanderlúcio fala com sensibilidade do projeto de ressocialização e se mostra muito empolgado com os desafios do projeto.

“Sei que alguns passam pela oportunidade, mas não aproveitam tanto quanto poderiam, porém, ainda assim essas pessoas ficam marcadas para sempre por terem sido tratadas de forma digna, por um dia alguém tê-las tratado como cidadão, e ter-lhes dado uma segunda chance”, ressalta. 

A diretora de RH Rosana Almeida também se emociona, sobretudo ao presenciar alguns Rosana Almeida Diretor de RH Grupo SAfuncionários depondo sobre o tratamento que receberam na SA desde quando chegaram ao Grupo.

“Ouvir que nosso tratamento é inclusivo, desprovido de preconceito é muito gratificante. Esse feedback de carinho é motivador e me deixa emocionada”, afirma Rosana .

Rosana diz que enfrenta o desafio com tranquilidade. O fato de ser mulher, não a inibe em nada, pelo contrário, a mulher tem funções amplas e democráticas dentro da organização.

O treinamento de RH também é dado por ela e o respeito paira por onde quer que a “Dona Rosana” coloque os pés.

Geovane – Aux. Produção

Quando cheguei aqui, fui recebido como homem, como profissional. Isso foi muito importânte para mim.

Fiquei um ano e três meses pelo projeto, quando saí, fui chamado novamente para compor o quadro de funcionários da empresa.

Na verdade, eu pedi o Vanderlúcio uma oportunidade e, como tentei sempre ser um um bom profissional, ele me deu essa oportunidade. Já tem um ano e oito meses que estou trabalhando aqui na SA de carteira assinada.

Por fim, o Grupo SA se apresenta neste post com uma face pouco conhecida por muitos clientes, fornecedores e parceiros, Brasil afora, a imagem de uma empresa com propósitos mais sublimes do que a simplesmente produzir e vender gôndolas, porta pallets e móveis de aço. 

O Grupo SA se destaca também como agente motivador de transformação social, inclusão profissional. Para o Diretor Fabril, Vanderlúcio, a evolução social não é responsabilidade apenas de políticos ou do terceiro setor, para o ele, todos somos co-responsáveis pelo desenvolvimento e progresso social.

“Quando cuido com dignidade de um desses meninos, estou garantindo o futuro”, reflete o Diretor Vanderlúcio.

E então, ficou curioso? Deu vontade de conhecer um pouco mais o Grupo SA, então fale conosco, deixe um comentário aqui no blog ou ligue para nós. Será um prazer trocar informações. 

Veja outras publicações

Microempreendedor

Como se tornar um microempreendedor?

Abrir um negócio e se tornar um microempreendedor: quantas pessoas não devem sonhar com esse feito? Não é difícil imaginar o porquê,

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×

Carrinho